31/01/2010

[Correio da Manhã] Assalto no Algueirão


Uma mulher foi agredida com violência por um homem quando estacionava o carro numa rua do Algueirão, Sintra. O assaltante roubou as chaves do veículo e todos os haveres à vítima, e colocou-se em fuga, vindo a ser detido pouco depois graças à rápida denúncia da mulher atacada.

O crime ocorreu perto das 23h00 de quinta-feira. No momento em que estava a estacionar o automóvel, a mulher foi surpreendida pelo assaltante, que a ameaçou e agrediu a murro e pontapé. A mulher foi, de pronto, denunciar o assalto à PSP de Algueirão-Mem Martins, ajudando os agentes a prender o ladrão, que foi encontrado com os artigos roubados. O Tribunal de Sintra determinou que aguarde julgamento em prisão preventiva.

22/01/2010

Freguesia Vista do Céu

Foto que encontrei na internet, que desconheço o autor, mas onde se pode apreciar a vila de Algueirão-Mem Martins, vista do céu.

16/01/2010

[RTP] Fim da Feira de Fanares e Capela [video]

Manifestação de Feirantes, em Fanares

Hoje assisti a algo que me indignou, a manifestação dos Feirantes em Fanares.
Se é óbvio para toda a gente, que as feiras de Fanares e da Capela não servem a ninguém, pela total ausência de condições, também me parece óbvio, que só deveriam de acabar, quando existisse um espaço alternativo concluído. Estarei errado?
Na foto abaixo, é possível ver o orgulho politico, com a solução encontrada na Tapada das Mercês...


















O pior, é que este orgulho apenas criou problemas e contestação.
- Termina-se as feira sem existir alternativas concluídas para a sua substituição?
- Será que estes senhores se esquecem que existem várias famílias que vivem destes trabalhos?
- Será para as pessoas se desabituarem da fruta saloia, e ganharem o vicio da fruta das grandes superfícies?


















Com os feirantes com quem falei, ninguém contestou a mudança, contestam isso sim a suspensão, como se podia ver nas folhas coladas nos seus veículos. Mas o ponto mais alto da minha indignação, é a falta de solidariedade politica. Ninguém dá a cara...Deixo aqui várias perguntas:

- Sr. Presidente da Junta de Freguesia, não seria o seu papel, estar ao lado dos comerciantes para lhes dar uma palavra e ajudar na resolução dos seus problemas?

- Srs políticos, acham que aquele pequeno terreno com alcatrão, sem água, sem wc's, é o espaço digno para a Futura Feiras da maior freguesia de Portugal?

- Como se sentem os habitantes da Tapada das Mercês, que vê o seu descanso incomodado com a colocação de uma Feira mesmo em frente às suas janelas?

- De que modo, será afectado o funcionamento da Escola às Quartas-feiras? Barulho? Trânsito?


- E as forças politicas da oposição? Alguém as viu? Alguém as ouviu? A feira serve só para ganhar votos e depois é esquecida?


















Trata-se de mais um duro golpe no pequeno comercio, pois muitas pequenas lojas sobreviviam, com a facturação obtida às quartas e aos sábados.
Jerónimo Martins e Belmiro de Azevedo agradecem.

E será que todos já pensaram, que a falta de um espaço credível e de qualidade para a realização da nova feira, é apenas mais umas consequência de um urbanismo egoísta, de "pato bravo", sem qualquer planeamento?

Fica aqui umas pequenas imagens dos feirantes a abandonar o espaço da "Antiga Feira de Fanares" debaixo de buzinão, em direcção à Câmara de Sintra, para mostrar o seu desagrado. Assisti a palmas e incentivos de alguns habitantes de Mem Martins, que também mostravam o seu apoio e a sua indignação. Quem era alvo de todas as criticas? Os senhores doutores políticos...

Que falta de Bom Censo...


OBS: a PSP apareceu no final (2 agentes)... tudo decorreu com apenas com um carro com dois elementos da Policia Municipal, que mesmo assim abandonou o local. O caos que se criou no trânsito? Se existissem problema estaria garantida a segurança de todos? tenho duvidas... enfim.. a população está habituada...

13/01/2010

Reflexão Interessante sobre Urbanismo em Algueirão - Mem Martins

Já este mês, neste Blog, questionei o Edifício que se encontra em construção, junto da estação do Algueirão, em frente à Farmácia Rato, e recebi um comentário muito interessante às minhas opiniões e observações. Trata-se de alguém que eu não conheço, que assina sempre como Pedro, e deixa sempre uma opinião muito válida, sobre os temas que eu lanço... Não sei de quem se trata, mas o mais importante é o debate de ideias. Vou deixar de seguida por completo o ultimo comentário que recebi, pois acho que se trata de uma boa reflexão sobre o urbanismo na freguesia, e desde já o meu obrigado pela participação inteligente.


"Eu sou arquitecto urbanista, um de algumas centenas que se formou naquele ano. Moro na freguesia e passo ao pé desse novo "edifício" praticamente todos os dias. E fico sinceramente escandalizado quando vejo a pouca vergonha que se constrói e ainda por mais quando leio o comentário da Paula sobre o edifício da Rato ser demolido. Como é possível, eu não sei. Sei que durante a infância decidi que queria ser arquitecto, logo na primária, devido ao gosto por desenhar.

Quando acabei o secundário escolhi um curso que também envolve urbanismo porque percebi que existiam grandes necessidades nessa área como a realidade do país nos revela, especialmente aquela que se passa neste concelho e arredores. Sei que andei a estudar durante 6 anos que foram tudo menos simples e a vontade de desistir nos períodos mais amargos vinha sempre acima, mas acabei por concluir o curso. Sei que tenho de pagar cotas à Ordem, a mesma instituição que me ensinou sobre o código deontológico e sobre o respeito pelos colegas de profissão...

Lamento, mas quem projecta e autoriza vergonhas destas, certamente que não será um colega de profissão porque isso que aí está quase subverte todos os princípios e assemelha-se ao que eu chamaria de um atentado urbanístico. Alinhamentos errados, enquadramento mau, configuração defeituosa e sem grande sentido, volumes alternados e sem sentido, desrespeito pelos moradores envolventes, desrespeito pela opinião pública, falta de informação na placa que foi colocada no início da obra e não estava preenchida, excesso de densidade, falta de espaço exterior com passeios mínimos e se calhar à margem da legislação actual, e um sentido estético deficiente... não é preciso nenhum tipo de formação específica para se poder perceber o que está a ser feito de errado. Mas pelos vistos a autarquia continua a pensar que o povo é estúpido. Pelas decisões e interesses de um par de dezenas de interessados e beneficiados com este tipo de obras, paga a população de uma freguesia que está cada vez mais destruída e sem qualquer tipo de sinais de melhora.

Estes recentes acontecimentos cada vez mais me fazem querer ir viver para outro lugar, longe desta vergonha, porque durante 3 décadas o elevado nível de corrupção continua a ser imenso e apesar da evolução tecnológica que decorreu no mesmo período já percebemos que a mentalidade dos construtores e dos políticos continua estagnada e corrompível. Ou isso, ou eu andei durante muitos anos e continuo a andar enganado a pensar que no curso que escolhi aprendi coisas úteis e que faziam falta...
"

10/01/2010

Feirantes de Mem Martins foram impedidos de montar as bancas nas feiras da freguesia

Mais de cinquenta feirantes foram hoje impedidos pela PSP de montar as bancas nas feiras da Capela e de Fanares, em Mem Martins, e “ocuparam ilegalmente” um espaço que mais tarde vai acolher as duas feiras.


















Os vendedores da Feira da Capela queixam-se de que não foram avisados pela Junta de Algueirão-Mem Martins de que não poderiam realizar a feira hoje, e que ao chegar ao local habitual, por volta das 6:30, no centro de Mem Martins, foram impedidos de montar as bancas.

Não fomos avisados. Temos um mês de caução, e mesmo que este mês ainda não estivesse pago, podíamos ficar até ao fim do mês”, disse à agência Lusa, Célia Pedro, proprietária de uma banca de frutas e legumes.

Os feirantes queixam-se de “não ter tido tempo para avisar os clientes habituais” desta mudança, e lamentam que esta situação é prejudicial aos seus negócios.











Praticamente não vendi nada. Tinha encomendas mas os clientes não sabem ou não conseguem vir para este sítio porque é longe”, disse José Lucas, vendedor da feira da Capela há mais de 35 anos.

Por outro lado, os vendedores da Feira de Fanares alegam que foram avisados na última quarta-feira, e que hoje não tiveram outra solução a não ser deslocar-se para o local onde mais tarde se vão juntar as duas feiras.
Já sabíamos que não podíamos ir hoje para Fanares, mas mesmo assim tentámos ir mas foi-nos barrada a entrada na feira. Chegámos à Tapada das Mercês e tivemos que montar as bancas fora do perímetro da feira porque os feirantes de roupa, muitos deles não pagam licenças, forçaram-nos a ficar aqui”, disse à agência Lusa, Francisco Damião, proprietário de uma banca de frutas e legumes.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Junta de Freguesia de Algueirão-Mem Martins, Manuel do Cabo, adiantou que “os feirantes ocuparam ilegalmente aquele que vai ser o novo espaço da feira”, não cumprindo assim uma decisão da autarquia de Sintra que ordenou o encerramento destas feiras a partir de 1 de Janeiro, até que o novo local esteja devidamente qualificado.

O espaço vai ser organizado, vão ser marcados os lugares e falta instalar as casas de banho e a segurança. Os feirantes não podiam ter ido para lá porque ainda não estava preparado”, disse.
Manuel do Cabo adiantou que as transferências das feiras para a Tapada das Mercês põe “um ponto final num problema que afecta os moradores da Capela e de Fanares há mais de trinta anos”.

O vereador da autarquia de Sintra com o pelouro das Feiras e Mercados, Baptista Alves, considera que a decisão da câmara, “unânime a todos os partidos políticos”, é irrevogável, e adiantou que toda a população foi devidamente informada, através de edital, sobre o encerramento das duas feiras. 

Havia um conjunto de reclamações dos moradores da Capela e de Fanares, alguns deles ameaçados fisicamente pelos feirantes. Decidimos terminar com o pesadelo destes moradores a partir de Janeiro”, adiantou.
Tanto o vereador como o presidente da junta de freguesia adiantaram que hoje não ocorreram desacatos nem actos de violência motivados pela indignação dos feirantes.
Lusa / AO online

08/01/2010

Edificio perto da Estação - Algueirão

Os anos passam e todos os anos se formam nas Universidades Portuguesas centenas de Arquitectos e especialistas em Urbanismo. O que será que estas pessoas aprendem na escola?


















Recentemente, passei no Algueirão, perto da Farmácia Rato, e fiquei de boca aberta com o edifício que ali está a ser construído...

Será uma espectacular obra arquitectónica, ou apenas mais uma aberração como já estamos habituados? Urbanisticamente é mau...


















Numa Zona onde o espaço público já é bastante deficitário, lá se deu autorização para a construção de mais um edifício em cima do passeio e em cima da estrada. E espaço para as pessoas? Acham que o actual passeio chega para os peões?

E onde está o Bom Gosto? O sentido estético?

Pouco a pouco, vais se condenando esta zona do Algueirão, onde a palavra urbanismo e planeamento foram escritas com régua e esquadro, mas que com o passar dos anos, fazemos questão de destruir.

















Mais uma vez gostava de saber:
- Quem é o arquitecto que assina um projecto destes?
- Quem foi o responsável da Câmara Municipal que autorizou?

Certamente, como bons profissionais, não teriam qualquer problema em mostrar a sua obra e o seu trabalho.


















Estas imagens agradam? Gostam do enquadramento?

Enfim....

CGD no Algueirão

Para os mais desatentos, informo que abriu recentemente, mais uma agência da Caixa Geral de Depósitos (CGD), na Estrada do Algueirão

03/01/2010

Zonas alagadas em Mem Martins

Todos os anos, em dias de grande chuva, existem duas zonas estratégicas de Mem Matins que ficam alagadas, dificultando e mesmo impossibilitando, a circulação automóvel, Rua do Coudel e a Estrada de Mem Martins.


Torna-se recorrente a necessidade de chamar os bombeiros para ajudar a escoar o excesso de água, e para impedir a passagem automóvel. Este ano, como sempre, já assisti, mais uma vez a esta situação, causada pelo facto, de não ser corrigidos erros do passado, como o estreitamento de linhas de água, que posteriormente não tem capacidade de drenagem de grandes caudais, e não corrigir locais mais baixo, sem a devida absorção de águas pluviais.

















- Será que as entidades responsáveis não tem o problema identificado?
- Será que as entidades responsáveis pensam resolver este problema?
- Será necessário uma situação extremamente grave para alguém tomar atitudes?

O que é certo é que os Invernos passam, e a vergonha repete-se ciclicamente...