17/04/2014

'Preço Justo' - pastelaria/padaria low cost

Abertura de uma pastelaria/padaria low cost (baixo custo), de nome "Preço Justo", pertencente a empresa Aliança Panificadora do Cacém. 


A pastelaria irá situar-se na Estrada do Algueirão, na antiga panisintra.
Horário, das 6h00 às 20h00


16/04/2014

Desporto ao Ar Livre - Quinta do Butler


Durante os meses de Abril e Junho a Junta de Freguesia de Algueirão- Mem Martins irá promover uma iniciativa aos sábados de manhã, entre as 10h00 e as 12h30, na Quinta do Butler, Rua Popular de Moçambique, Mem Martins. 

Esta iniciativa será totalmente gratuita e aberta a toda a população, proporcionando aos habitantes da nossa freguesia a possibilidade de praticar desporto ao ar livre, promovendo a prática de actividade física e fomentando hábitos saudáveis.


14/04/2014

Feira Quinhentista em Mem Martins - 24 de abril

Para assinalar os 500 anos do Foral Manuelino de Sintra, o Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro vai realizar, no próximo dia 24 de Abril de 2014, uma Feira Quinhentista, nas instalações da EB 2,3 Ferreira de Castro, que envolverá toda a comunidade.
Esta atividade, associando as vertentes pedagógica, cultural e lúdica, privilegia atividades interdisciplinares e entre ciclos ao nível de conteúdos e competências, através da recriação histórica de uma feira quinhentista.
Nas instalações da Escola Básica 2,3 Ferreira de Castro será criado um ambiente que nos transportará à época do rei D. Manuel I, contando com a participação de comerciantes e artesãos locais que, integrados na época pretendida, divulgarão os seus produtos e saberes. Também os sabores terão lugar, aguçando os sentidos com iguarias de outros tempos, enquanto a animação estará a cargo de diversas instituições com música, poesia, dramatização, dança, jogos, exibição de quadros vivos, etc. A feira disporá, ainda, de diversos ateliês pedagógicos dinamizados por professores, alunos e instituições patrocinadoras, que levarão a comunidade a experimentar a realidade de outras épocas.
Este evento conta com o patrocínio da Junta de Freguesia de Algueirão Mem Martins e com a colaboração da Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica 2,3 Ferreira de Castro.
Convidamos, assim, as famílias dos nossos alunos a estarem presentes neste encontro e agradecemos toda a disponibilidade e dedicação das mesmas na criação de figurinos, pendões, naus, caravelas e tantos outros elementos que enriquecem a cultura dos nossos alunos.
Link (clica) Fonte: http://www.efcastro.pt/default.aspx?canal=13&artigo=364

13/04/2014

Acordo para obras na Tapada das Mercês dependente do BCP

O presidente da Câmara de Sintra diz estar prestes a fechar o acordo para o arranque das obras que faltam para concluir a urbanização da Tapada das Mercês, mas ainda tem de convencer o banco BCP e discutir o documento no executivo, razão pela qual não foi ontem celebrado durante a presidência aberta que promoveu na freguesia de Algueirão-Mem Martins. 


Já temos o acordo da partes, mas quero levá-lo à reunião de câmara [agendada para dia 22]. Prevê obras por parte da Fundimo [actual Fundger, Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, proprietária do Floresta Center] e da Cintra Construções, que têm um prazo de seis meses para fazer as obras que faltam. Acabado esse prazo e recebido o loteamento, imediatamente daremos autorizações para a primeira fase da Quinta da Marquesa”, disse ontem Basílio Horta. 

Na sexta-feira, o autarca já tinha avançado a mesma informação na Assembleia Municipal de Sintra, após ser questionado pelo deputado João Silva, do Bloco de Esquerda, sobre quais as iniciativas da autarquia para resolver os problemas de degradação da urbanização, já denunciados naquele fórum por moradores. Em resposta, Basílio Horta recordou que a urbanização com mais de 20 anos, e onde vivem mais de 20 mil pessoas, não foi ainda recepcionada pela câmara porque faltam obras que o construtor não fez “devido a dificuldades financeiras”. 

O presidente da câmara revelou, também, que a empresa construtora pretendia que a autarquia licenciasse a segunda fase da urbanização, conhecida como Quinta da Marquesa, para posteriormente fazer as obras em falta na Tapada das Mercês, uma pretensão que não aceitou. “Recusei, porque era somar um problema a outro. Não há Quinta da Marquesa sem resolução da Tapada das Mercês”, diz Basílio Horta, que admite que a negociação do acordo foi “muito complicada.”

Segundo explicou, o fundo imobiliário proprietário do Centro Comercial Floresta Center vai avançar com obras no valor de mais de um milhão de euros, nomeadamente na construção de um estacionamento de apoio ao centro comercial e a um novo supermercado, e na disponibilização de espaço para uma delegação da junta de freguesia. Está também a ser negociada a construção de um posto de combustíveis “low-cost”.

Ficam a faltar cerca de 500 mil euros de obras a cargo da Cintra Urbanizações e da Sociedade de Construções e Urbanizações Vicente Antunes, dependentes do desenrolar das negociações com a banca, dado que ao contrário do que chegou a admitir, a câmara não irá assumir esse investimento. “Não têm dinheiro e aí têm que entrar o banco BCP, que não quer assinar o acordo”, revela, assegurando que vai insistir junto do banco e reassumir o compromisso de licenciamento da primeira fase do loteamento da Quinta da Marquesa “no dia em que acabarem as obras na Tapada”. 

Depois de resolvido o impasse que tem feito desesperar os moradores, a Câmara de Sintra diz-se pronta para avançar com os projectos do Parque Urbano e de recuperação da capela e do recinto da tradicional feira da Mercês. “O Parque Urbano não vai custar muito. Vamos limpar, fazer caminhos pedonais, pôr bancos e quanto muito fazer uma cafetaria de apoio que será concessionada. Segue-se a recuperação da capela e do recinto da feira, que custará dois milhões de euros”, revela o autarca.